top of page
  • Foto do escritorAdmin

Por que a poupança não é mais um bom investimento?



Provavelmente, você já guardou dinheiro na poupança, uma das muitas opções de investimento que existem, mas saiba que apesar de ser o investimento mais conhecido dos brasileiros, a caderneta de poupança está longe de ser uma boa opção de investimento.


Um estudo da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) feito em janeiro de 2021 mostra que cerca de 185 milhões de brasileiros investem na poupança: 88% da população.


Neste estudo, também mostra que cerca de 22 mil contas têm mais de R$ 1 milhão investidos.


Mas quanto rende a caderneta de poupança?


Antes, vale lembrar que os rendimentos da poupança só acontecem no “mesversário”, ou seja, se você faz um depósito no dia 12, por exemplo, os rendimentos só irão acontecer nos próximos dia 12 de cada mês, caso não haja resgate do capital antes desta data; se houver, todo o retorno do período é perdido.


Até o dia 03 de maio de 2012 a poupança rentabilizava de um jeito diferente do que é hoje. Era baseada na Taxa Referencial (TR), rendia 0,5% ao mês + TR, mas com o corte da Taxa Selic para abaixo de 8,5% ao ano em 2012, a forma de rentabilização mudou.


A partir do dia 04 de maio de 2012, a caderneta de poupança passou a render baseado na Taxa Selic, tendo como regras:

- Taxa Selic maior que 8,5% ao ano: 0,5% ao mês + TR

- Taxa Selic menor ou igual a 8,5% ao ano: 70% da Taxa Selic + TR


Depósitos feitos antes do dia 04 de maio de 2012 permanecem com o sistema antigo de rentabilidade, 0,5% ao mês + TR.


Na data deste artigo a Taxa Selic está em 4,25% ao ano, fazendo com que a poupança esteja rendendo 2,97% ao ano + TR, que é aproximadamente 0,24% ao mês, bem menos do que a poupança antiga.


Se não bastasse, a Taxa Referencial também está prejudicando a rentabilidade da poupança.


A Taxa Referencial é uma taxa de juros criada em 1991 durante o governo Collor, calculada pelo Banco Central, com o objetivo de controlar a hiperinflação que ocorria na década de 1990 e desindexar (substituir as correções pelo IPCA) a economia já que a maioria dos contratos como salários e poupança eram corrigidos ou indexados pelo IPCA.


Atualmente, a TR ainda é utilizada como índice de reajuste. No entanto, o foco desse índice mudou.


Hoje, a TR é uma taxa de juros de referência, ou seja, é um indicador geral da economia. Enquanto isso, o controle da inflação passou a ser função da taxa Selic.


Porém mudanças na fórmula matemática da TR, devido à baixa nos juros a posicionaram em zero desde setembro de 2017.


Dessa forma, desde 2017 a poupança vem rendendo somente 70% da Taxa Selic.


O risco retorno da poupança vale a pena?


Risco e retorno são dois conceitos que devem andar de mãos dadas. À medida que um aumenta o outro deve aumentar na mesma proporção. Não faz sentido correr mais risco sem um retorno esperado maior do outro lado. Se for pra ter o mesmo retorno garantido a decisão mais sábia seria optar pela opção mais segura.


A poupança é um investimento de baixo risco, isento de imposto de renda, onde o principal risco está no banco em que o dinheiro está alocado falir. Lembrando que a poupança é garantida pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), em até R$ 250.000,00 por instituição financeira e o limite de R$ 1.000.000,00.


O investimento mais seguro do país são os Títulos Públicos Federais (TPF) que são títulos emitidos pelo governo por meio do Tesouro Nacional, a fim de financiar a dívida pública, onde o principal risco envolvido é o governo falir. Os TPFs rendem no mínimo 100% da Taxa Selic, porém pagam IR. A partir de 2 anos o IR dos TPFs é de 15%.


Comparando os riscos dos dois investimentos é nítido que um Título Público Federal é mais seguro que investir na poupança; afinal, o risco de um banco quebrar é maior que o risco do Brasil quebrar. Em compensação pelo maior risco na poupança, os rendimentos deveriam ser maiores que dos TPFs, o que não acontece.


Lista dos Títulos Públicos Federais disponíveis para investir hoje:




Vejamos um exemplo simples: Supondo que a Taxa Selic se mantenha em 4,25% ao ano, qual a diferença de um investimento no Tesouro Direto de R$ 10.000,00 num período de 3 anos se comparado com a poupança?

Peguemos como exemplo o Título mais comum, o Tesouro Selic:


Fórmula de Juros Compostos FV = PV x (1 + i)^n FV - Valor futuro PV - Valor presente i - Taxa

n – Período


- Tesouro Selic 2024:

Rentabilidade: Selic (4,25% a.a.) + 0,2330% a.a. = 0,0448 Período: 3 anos

Capital Inicial: 10.000,00

Saldo final = 10.000 x (1 + 0,04483) ³ = 11.406,09

Lucro obtido: 1.406,09 – 15% de IR = R$ 1.195,18


- Poupança: (isenta de IR)

Rentabilidade: 70% da Selic (2,97% a.a.) + TR (0%) = 0,0297

Período: 3 anos

Capital inicial: 10.000,00

Saldo final = 10000 x (1+ 0,0297) ³ = 10.917,72

Lucro obtido: R$ 917,72

Como pudemos ver a Tesouro Selic rendeu 23,2% a mais do que a poupança nesse período.


Na pior das hipóteses, num resgate com menos de 6 meses (181 dias), O IR num TPF é de 22,5%. Vejamos com um exemplo de 5 meses:


- Tesouro Selic 2024: 10.000 x (1 + 0,003735833333) 5 = 10.188,19

Lucro obtido: 188,19 - 22,5% de IR = R$ 145,84

- Poupança: 10.000 x (1 + 0,002479166667) 5 = 10.124,57

Lucro obtido: R$ 124,57


Com esse exemplo pode-se notar que, mesmo a poupança tendo um risco maior envolvido, ela teve um rendimento menor que o TPF, que é mais seguro. Não faz sentido financeiramente correr mais risco em um investimento e ter uma rentabilidade menor.


Porém, existe uma vantagem na poupança: a liquidez imediata. Você pode a qualquer momento ir a um caixa eletrônico e sacar o dinheiro, diferente do Título Público Federal que tem liquidez diária, isso quer dizer que é necessário um dia útil a partir da solicitação (que também deve ser feita em dia útil) de resgate para retirar o capital investido.


Além desse fator risco, a poupança também sofre contra a inflação.


O que é a Inflação?


A inflação é o nome dado ao aumento generalizado dos preços de produtos e serviços. A grosso modo é a porcentagem de ganho (deflação) ou perda (inflação) do poder de compra em determinado período, geralmente calculada anualmente. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) produz dois dos mais importantes índices de preços: o IPCA (Índice de preços ao Consumidor Amplo), considerado o oficial pelo governo federal, e o INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor).


Por exemplo, em 2020 a inflação (IPCA) fechou em 4,52%, isso quer dizer que o preço dos produtos e serviços subiu essa porcentagem, logo seu poder de compra caiu igualmente. Cem reais no início do ano valiam R$ 100,00, no fim do ano a mesma quantia foi equivalente a R$ 95,48, uma perda de 4,52% no valor.


Uma aplicação dos mesmos R$ 100,00 na poupança no mesmo ano renderam 2,09%, que resulta num saldo final de R$102,09, como a inflação foi de 4,52% esse valor foi equivalente a R$ 97,47, menos que o capital investido lembrando, a perda não é na quantia e sim no poder aquisitivo, no fim do ano você terá seu capital mais os rendimentos, porém, eles valerão menos.


Qual o impacto da inflação sobre a poupança?

Nos últimos anos a poupança vem tendo um rendimento menor que a inflação, causando uma rentabilidade real negativa. Quem está investindo na poupança está perdendo dinheiro de certa maneira. Há sim, uma rentabilidade positiva na poupança, mas devido a inflação no mesmo período ter sido maior, toda essa rentabilidade é absorvida.


O gráfico abaixo, mostra a rentabilidade real da poupança.



Dados do Ipeadata


De acordo com o Boletim Focus do mês de junho (25/06), a projeção da inflação para 2021 está em 5,97% que já superou o teto da meta estabelecida pelo Banco Central de 5,25%. Já a meta para a Taxa Selic até o fim do ano está em 6,50%, isso daria uma rentabilidade para poupança de 4,55% a.a., que continuaria tendo uma rentabilidade real negativa no ano de 2021, caso as projeções se mantiverem. Mesmo que haja uma pequena melhora nos números os dados já mostram indícios de que a rentabilidade da poupança em 2021 não será agradável.




A poupança pode ter sido uma boa opção de investimento no passado, quando a taxa de juros estava absurdamente alta no país. Hoje a realidade é outra, com uma projeção para a Selic de 6,50% para 2021 a poupança se torna obsoleta, abrindo mais espaço para os Títulos Públicos Federias que possuem um risco ainda mais baixo e não deixa o seu dinheiro se afogar na inflação.


Pode ser que em algum momento a velha queridinha dos brasileiros volte a seus tempos dourados, mas, por hora, ela passa longe de ser uma boa escolha de investimento.


Por último deixo aqui uma lição do maior investidor do mundo:


“Regra número 1: nunca perca dinheiro.

Regra número 2: nunca esqueça a regra número 1”

Warren Buffett



Micael Colodetti

Graduando em Matemática Industrial

Equipe de Mídias


Referências:


121 visualizações1 comentário

1 comentario


Muito bom!! Dinheiro na poupança, não mais 😅

Me gusta
bottom of page