top of page
  • Foto do escritorAdmin

O que você precisa saber antes de começar a investir na bolsa



Estamos presenciando um dos momentos mais incríveis quando se trata da bolsa de valores. Cada vez mais pessoas estão tirando seu dinheiro da poupança e levando para as corretoras, a fim de conseguir uma rentabilidade maior. Se você não conhece ninguém que começou a investir na bolsa esse ano, provavelmente, foi você quem virou o amigo investidor.

No entanto, da mesma forma com que esse movimento provoca uma certa euforia, ele também nos traz preocupação, pois muitas pessoas chegam na bolsa sem saber o que fazer, sem entender como o mercado funciona e acreditando que conseguirão gerar riqueza de forma rápida.

Se você se encaixa em um desses requisitos ou se pretende investir, mas ainda não sabe por onde começar, tentaremos, neste texto, trazer os principais pontos para você se tornar apto a investir de forma segura e consciente. Bolsa de valores não substitui o trabalho Um dos grandes erros de quem começa a investir é achar que pode viver de bolsa. Com exceção de quem trabalha na área, como analistas, agentes autônomos ou qualquer outra profissão do setor, é praticamente impossível viver à base de operações na bolsa. O que gera riqueza é o trabalho, e seus investimentos devem servir como um meio de multiplicar o dinheiro conquistado por ele.

Talvez, nesse momento, você possa estar lembrando daquele vídeo onde viu alguém ganhando muito dinheiro em questão de minutos, fazendo apenas uma única operação. Existem raros casos de pessoas que realmente conseguem ganhar altas quantias com poucas operações na bolsa, mas que, para chegarem nesse nível, estudaram muito e, provavelmente, também perderam muito antes de começarem a ganhar algo. Até, mesmo essas pessoas necessitaram, em algum momento, do trabalho para suprir a necessidade de caixa gerada nesses investimentos e, provavelmente, grande parte deles continua trabalhando, mantendo o que ganha na bolsa como um extra. Poupe antes de investir Outro grave problema de quem começa a investir é tirar dinheiro de onde tem, e de onde não tem, para alocar na bolsa. Você não precisa vender o seu carro, a sua casa, passar fome ou pegar um empréstimo para começar a investir. O investimento deve ser feito com aquele valor que não vai fazer falta para você no fim do mês, não importando se são R$10,00 ou R$10.000,00.

Por isso, é importante que antes de investir, você organize as suas finanças, pague o que deve ser pago, anote quanto você pretende e pode gastar com cada despesa familiar, contas, cartão, etc. Após “organizar a casa”, separe todo mês um valor, até que você acumule o que considera suficiente para que sua família consiga se manter em momentos de instabilidade, como em casos de desemprego, por, no mínimo, seis meses. Essa será a sua reserva de emergência. A partir disso, você se torna viável, financeiramente, a começar a investir. Estude Para quase tudo na vida é necessário ter conhecimento. Um aluno precisa estudar se quiser ir bem em uma prova, e, mesmo assim, existe a possibilidade de não ir. Em última instância, ele ainda pode tentar colar, mas se seu amigo for mal, ele também irá. Da mesma forma, é necessário ter conhecimento para investir. As melhores decisões e os melhores resultados acontecem quando você sabe o que está fazendo.

O que ocorre frequentemente é que as pessoas não sabem por onde começar e acabam tomando decisões precipitadas. Muitas delas, por exemplo, acabam investindo baseadas nos investimentos de influenciadores digitais ou a partir da indicação de terceiros. Os problemas, nesses casos, ocorrem porque, no momento em que você investe baseado em outra pessoa, qualquer oscilação de mercado te torna refém das suas emoções, e por não saber o motivo pelo qual você investiu, as chances de você, em um dia de baixa, retirar seu dinheiro dos investimentos e sair com menos do que entrou, se torna consideravelmente maior.

Outro ponto que está relacionado ao estudo e as emoções tem a ver com o tipo de investimento que você faz. Existem diversos casos onde pessoas que não estudaram o suficiente, ou não estudaram nada, veem ações de empresas a valores que podemos considerar pequenos e consideram ali uma ótima oportunidade de multiplicar seus rendimentos.

Entretanto, na maioria das vezes, o preço da ação da empresa reflete simplesmente o que ela vem entregando de lucro, se ela possui muitas dívidas, uma administração boa, etc. Ao investir nessas “oportunidades” sem estudar o que está por trás da empresa, o investidor se torna apenas um torcedor, que assim como qualquer outro, fica feliz quando a cotação sobe e irritado quando ela desce, sem saber de fato o que está acontecendo.

É de se imaginar que você esteja se perguntando por onde deve começar para não cometer esses erros. O interessante para quem quer iniciar no mundo dos investimentos é ler livros que falem sobre contabilidade, balanços empresariais, análise fundamentalista e técnica, gestão, etc. Além disso, na internet é possível encontrar muito conteúdo de qualidade. Existem sites que apresentam informações sobre as empresas listas na bolsa e fundos imobiliários, o que ajuda bastante na hora de encontrar o melhor investimento. Porém, nesses casos, é importante já ter adquirido um certo conhecimento, para entender as informações apresentadas.

Embora seja interessante adquirir a capacidade de fazer suas próprias análises, talvez você não tenha o tempo necessário para estudar tudo o que é preciso. Nesse caso, existem casas de análises que lançam relatórios sobre setores, empresas, fundos, etc. Além disso, muitas delas já oferecem carteiras de investimento prontas, cabendo a você escolher a que se encaixa melhor no seu perfil.

Também existem fundos que já possuem um portfólio de investimentos, onde, ao adquiri-los, você passa a ter parte de seu patrimônio ligado a empresas, fundos imobiliários, títulos e outros investimentos do fundo. Aqui, é muito importante ter informações a respeito do gestor, para saber se realmente aquele é um bom investimento. O mercado é imprevisível Com certeza você já fez planos para sua vida, mas as coisas não aconteceram da forma como você esperava. Isso porque o que você pretende fazer ou acha que vai acontecer, pode não ser o que realmente irá acontecer. Existem diversas variáveis que podem influenciar o resultado final e, assim como a vida, o mercado é imprevisível, e as chances de errar ao tentar prever seus movimentos é grande.

Benjamin Graham, criador de uma das mais utilizadas estratégias de investimento da história, em seu livro “O Investidor Inteligente”, utiliza uma analogia onde compara o mercado a um sócio de um determinado empreendimento, que, de tempos em tempos, se entusiasma com a empresa e oferece ao seu sócio um valor acima do preço de mercado pela sua participação, e da mesma maneira, às vezes, tomado pelo receio, ele tenta vender sua participação abaixo do preço que ela realmente vale. Ou seja, o “Senhor Mercado”, como o autor o chama, tenta vender ou comprar parte da empresa baseado no seu humor.

A analogia de Graham faz completo sentido, pois é exatamente como o mercado funciona. Como ele parte da lei da oferta e demanda, uma grande onda de entusiasmo pode atingir os investidores que começam a comprar mais e jogam o preço das ações de diversas empresas lá em cima, por exemplo, mesmo que não haja motivo aparente para isso. O contrário também ocorre, levando à desvalorização.

Talvez agora, você esteja com um pé atrás sobre começar a investir, afinal, se o mercado é imprevisível, como ter a garantia de que seus investimentos irão se sair bem?

Se você seguir nossa última dica e estudar, as chances de obter sucesso serão maiores, porém, existe outro ponto de grande importância que vale destacarmos: o mercado é imprevisível no curto prazo, mas ao adquirir bons investimentos pensando no longo prazo, a volatilidade e imprevisibilidade do mercado diminuem, e as chances de obter sucesso se tornam bastante elevadas.

Na imagem a seguir, podemos ver como o Ibovespa se comportou de 1995 até hoje, e como é importante o pensamento a longo prazo.



Podemos observar diversas oscilações durante o período analisado, porém, fica claro que com um período maior de tempo, os resultados são melhores. Risco X Retorno X Liquidez Esses três fatores são de extrema importância quando falamos de investimentos e é interessante para quem está começando, ter a consciência de que é possível ter um investimento que tenha agregado nele dois desses aspectos, porém, que nenhum investimento terá todos de uma vez. Se você ficou confuso, tentaremos explicar mais claramente.

Imagine que você comprou ações de uma empresa considerada arriscada, esperando um retorno de 3X, porém, logo após comprá-la sua cotação caiu para X/2. Isso ocorre porque essa empresa possui uma volatilidade grande, que pode ocorrer devido a sua alta liquidez, pois muitas negociações estão sendo feitas no mercado. Da mesma maneira que sua cotação caiu abruptamente, em algum momento, ela pode atingir a rentabilidade desejada, entretanto, o risco sempre está presente. Dessa forma, entendemos que a ação dessa empresa possui liquidez e pode te proporcionar a rentabilidade desejada, porém não te oferece segurança, os riscos estão sempre presentes.

Todavia, existe uma forma de driblar essa “lei dos investimentos”, forma que também podemos considerar de extremo valor para quem pretende começar a investir, a diversificação. Ao diversificar seus investimentos, ou seja, alocar seu capital não só em uma, mas sim em algumas empresas, alguns fundos imobiliários e alguns títulos, você consegue ter em sua carteira, investimentos que possuem liquidez e rentabilidade, assim como os que possuem rentabilidade e segurança. Juros Compostos Os juros compostos talvez sejam a cereja do bolo dos investimentos. É a partir deles que você consegue, com o tempo, retornos expressivos. Ao tentar adquirir um empréstimo ou comprar um carro financiado, você provavelmente deve ter ficado assustado com os valores finais. O que valia X, provavelmente, passou a valer próximo ou mais de 2X. Isso são os juros compostos agindo contra você! Agora tente imaginar essa força a seu favor. Iremos tentar exemplificar.

Vamos supor que você seguiu todos os nossos passos e conseguiu deixar livre para investimento R$100,00 por mês. Com uma taxa de retorno de 12% ao ano, os retornos, com o tempo, seriam os seguintes:

1° ano:

Investido: R$1.200,00 Juros: R$80,11 Total: R$1.280,11 5° ano:

Investido: R$6.000,00 Juros: R$2.221,81 Total: R$8.221,81 10° ano:

Investido: R$12.000,00 Juros: R$11.071,30 Total: R$23.071,30

11° ano:

Investido: R$13.200,00 Juros: R$14.047,06 Total: R$27.247,06

Em 11 anos, investindo apenas R$100,00 por mês e com uma taxa de 12% ao ano, os juros já teriam ultrapassado o valor investido. Está nos juros compostos a grande vantagem de se investir, através dele é possível ter um ótimo retorno mesmo não possuindo um grande poder financeiro.


Podemos dizer que para se tornar um investidor você não precisa ser um gênio, muito menos rico. O necessário é ter aplicação para concluir os primeiros passos e, após se sentir seguro para começar nos investimentos, buscar sempre agir com consciência, sabedoria e paciência para conseguir aproveitar o que eles oferecem de melhor.


Luan Victor França

Graduando em ciências econômicas / 2° período

Membro da Ufes finance desde 09/2020

Equipe de mídias

68 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page