top of page
  • Foto do escritorAdmin

Investimento para Iniciantes: Ativos e conceitos para quem está começando

Atualizado: 28 de fev. de 2023



O mercado financeiro vêm se expandindo de forma surpreendente nos últimos anos, com novas gestoras e corretoras surgindo. Mas o número que mais impressiona é o número de investidores na bolsa. Segundo a B3, em 2021, houve um aumento de 1,5 milhão de investidores pessoa física na bolsa de valores brasileira, um crescimento de 56% em relação ao ano anterior. Esse marco gera altas expectativas para o mercado para o futuro, pois o maior número de investidores consegue gerar mais financiamento para as empresas e também demonstra que mais brasileiros estão em busca de preservação de patrimônio.


Porém, atualmente apenas 13 milhões de pessoas estão na B3, uma mera fração da população economicamente ativa, sendo de aproximadamente 100 milhões de brasileiros. Dito isso, ainda existe um número considerável de pessoas que ainda precisam de conhecimento acerca das finanças e dos ativos financeiros.


Dessa forma, a UFES Finance preparou este artigo em que iremos explicar brevemente os princípios e as regras básicas que o investidor deve conhecer, mas também apresentar e instruir o leitor sobre os investimentos ideais para aqueles que querem dar seus primeiros passos no mercado financeiro.


ANTES DE INVESTIR


Antes de você começar a aplicar seu dinheiro nos títulos que serão citados, é recomendável que as seguintes atitudes sejam tomadas, de modo a garantir uma situação financeira mais adequada e uma melhor organização dos investimentos.


  • Planejamento - É primordial que se defina o quanto entra e sai do seu bolso em um determinado período, assim como as pendências financeiras que o indivíduo possui em dado momento. Feito isso, é possível definir uma porcentagem de sua renda que será investida ou definir um valor fixo, sendo assim aplicado na frequência que for ideal. Por exemplo, em seu livro “Do Mil ao Milhão”, Thiago Nigro recomenda investir cerca de 30% da renda, porém, o valor deve ser compatível com o custo de vida do investidor, permitindo que invista uma porcentagem menor ou até maior, se julgar necessário.


  • Acabar com as Dívidas - Esse passo é primordial, afinal, o principal objetivo dos investimentos é construir patrimônio. E uma pessoa endividada terá dificuldade em cumprir esse objetivo, visto os efeitos dos juros sobre as dívidas. Dito isso, é de grande importância que se renegocie o endividamento, e se livre dele antes de investir.


  • Definição de Metas - Ao entrar no mundo dos investimentos, é recomendável que o investidor defina metas concretas, isto é, se ele deseja montar uma reserva de emergência, preparar sua aposentadoria, gerar uma renda extra, etc. Essas metas serão de extrema importância, pois farão com que seja decidido o nível de risco dos ativos e qual perfil de investidor faz mais sentido, podendo ser mais conservador ou mais arrojado.


Além disso, o leitor deve conhecer certos termos e conceitos que serão decorrentes e úteis no momento de entender e escolher os investimentos. Entre eles:


  • Liquidez - É definida como a capacidade de conversão do investimento em dinheiro na conta, permitindo a sua utilização. Quanto maior a liquidez de um título ou ativo, mais rápido é possível ter acesso ao dinheiro.


  • Rentabilidade - O quanto um investimento rende ou vai render. Quanto maior a rentabilidade, maior será o retorno sobre o valor aplicado.


  • Diversificação - Distribuição do dinheiro investido entre diferentes tipos de aplicações. A diversificação visa a diminuição do risco de prejuízo.


  • Taxa Selic - Taxa de juros básica da economia brasileira. É uma taxa definida pelo Banco Central, usada como meio para controle monetário. Ela gera enorme influência em outras taxas de juros, como as de empréstimos e financiamentos. É dessa taxa que deriva o CDI(Certificado de Depósito Interbancário), usado como referência para inúmeros investimentos de renda fixa.


  • IPCA - Índice usado para entender as tendências da inflação brasileira.


  • Renda Fixa - Classificação dada aos investimentos que possuem sua rentabilidade pré-definida, podendo ser com uma taxa pré-fixada ou acompanhando um índice, como o CDI. Tesouro Direto, Letras de Crédito e CDBs são considerados investimentos de renda fixa.


  • Renda Variável - Classificação dada aos ativos que não possuem rentabilidade prevista, mas que acompanham as movimentações do mercado. Ações e Fundos Imobiliários são exemplos desse setor de investimentos.


OS INVESTIMENTOS


Após essa breve introdução ao mercado financeiro, segue uma lista dos melhores investimentos para aqueles que estão começando.


  • Tesouro Direto: Um dos ativos mais emblemáticos e conhecidos no mundo dos investimentos, o Tesouro Direto, o qual é composto por 3 títulos de renda fixa recomendáveis para aqueles que tem pouco conhecimento. Esses títulos são: Tesouro Selic, que rende conforme o valor da Taxa Selic; Tesouro IPCA, que rende consoante a inflação; e o Tesouro Pré-Fixado, com sua taxa de rentabilidade definida na hora da compra. Esses títulos são vendidos pelo Governo Federal para adquirir verba para as atividades do Estado, considerados ideais para os iniciantes, visto que a chance de perda ou calote é quase inexistente, pois são de responsabilidade do próprio Governo. No momento, o Tesouro Selic, por exemplo, está com uma rentabilidade de aproximadamente 13,75%, valor elevado visto aumento da taxa básica de juros. E assim como os outros 2 títulos, pode ser comprado por meio de quase todos os bancos e corretoras do Brasil.


  • CDBs: Os certificados de depósito bancário são ativos vendidos por bancos com o intuito de conseguir dinheiro para realizar suas operações de crédito, semelhante ao Tesouro Direto. E assim como os títulos públicos, o investidor recebe de volta seu dinheiro com juros conforme a quantidade de dinheiro que emprestou à instituição. Os CDBs podem ser tanto pré-fixados, pós-fixados(acompanhando um índice, como o CDI) ou mistos. Normalmente bancos maiores irão oferecer certificados de menor rendimento, visto que já têm uma grande clientela estabelecida, enquanto bancos menores vão oferecer maiores rendimentos para conseguirem mais clientes. Esse tipo de investimento é muito atraente para novos investidores, pois garante bom rendimento com baixo risco, já que é vendido por instituições financeiras bem estabelecidas.


  • Letras de Crédito: Sendo dividido entre Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), esses ativos consistem em um empréstimo cedido pelos investidores para as instituições financeiras, as quais irão investir o dinheiro emprestado no setor imobiliário ou no agronegócio, devolvendo o dinheiro ao investidor com juros após determinado período. É um investimento de segurança e com bom rendimento, visto que remunera segundo o CDI e não possui cobrança do Imposto de Renda.


  • Fundos de Renda Fixa: Um fundo de investimento consiste em um conjunto de investidores que alocam o seu dinheiro e colocam ele sobre a responsabilidade de profissionais que serão responsáveis por gerir a quantia recebida, investindo esse dinheiro em diferentes ativos. No caso de um fundo de renda fixa, os gestores irão aplicar uma maior parcela do fundo em títulos de renda fixa, buscando, de forma geral, superar o rendimento do CDI. É um investimento muito viável para aqueles com pouco conhecimento sobre o mercado, pois têm baixo risco de calote, assim como uma maior chance de retorno financeiro elevado, pois o dinheiro vai estar sendo organizado por especialistas que buscarão os melhores resultados possíveis.


Como o leitor pode ter observado, os investimentos considerados adequados para os iniciantes concentram-se quase que totalmente na renda fixa, já que sua rentabilidade, apesar de ser relativamente pequena, possui uma segurança e chance de retorno superior à renda variável. Em geral, considerando que os novos investidores possuem menor conhecimento e capacidade de análise de ativos, é ideal que, inicialmente, eles busquem por opções que garantam segurança e baixo risco. É por tal motivo que não é comum recomendar investimentos em ações para aqueles que estão começando, pois esse tipo de investimento apresenta uma volatilidade extremamente alta, exigindo do principiante um estudo complexo que talvez não esteja pronto para realizar.


Porém, é de suma importância que se procure adquirir maior conhecimento sobre os diferentes ativos que compõem o mercado financeiro, permitindo que se possa diversificar o patrimônio investido e, consequentemente, aumentar sua rentabilidade, possibilitando o cumprimento das metas dos investidores e o aumento de seu patrimônio.


Gustavo Altoé de Araujo,

Estudante de Ciências Econômicas.

Time de mídias da UFES Finance.



REFERÊNCIAS


81 visualizações0 comentário
bottom of page